Embaixada do Ceará

Jarro da Saudade

Posted in Confissões, Falta Doquifa, Música by rapadurapower on 3 de julho de 2015

Samba – Daniel Barbosa / Mirabeau / Geraldo Blota

Iaiá, cadê o jarro ?

O jarro que eu plantei a flor,

Eu vou, lhe contar um caso,

Eu quebrei o jarro e matei a flor.

Eu vou, lhe contar um caso,

Eu quebrei o jarro e matei a flor.

Que maldade… Que maldade…

Você bem sabia,

No jarro de barro,

Eu plantei a saudade!

Festa de Final de Ano

Posted in Confissões, Crítica, Falta Doquifa, Opinião, Organizações by rapadurapower on 5 de agosto de 2014

Inspirado pelos acontecimentos de hoje, resgatei esse texto que recebi por e-mail e infelizmente desconheço o autor…

 

 

 

DE: Diretora de Recursos Humanos

PARA: Todos os Funcionários

Data: 1º de dezembro

Assunto: Festa de Natal

Tenho o prazer de informar que a festa de Natal da empresa será no dia 23 de dezembro, com início ao meio-dia, no salão de festas privativo da Churrascaria Grill House. O bar estará aberto com várias opções de bebidas. Teremos uma pequena banda tocando canções tradicionais de natal… sintam-se à vontade para se juntar ao grupo e cantar!

Não se surpreendam se nosso Vice-Presidente aparecer vestido de Papai-Noel! A árvore de Natal terá suas luzes acesas às 13:00. A troca de presentes de amigo-secreto pode ser feita a qualquer momento; entretanto, nenhum presente deverá exceder R$ 20,00, a fim de facilitar as escolhas e adequar os gastos a todos os bolsos. Este encontro é exclusivo para funcionários.

 

Nessa ocasião, nosso Vice-Presidente fará um discurso bastante especial.

 

Feliz Natal para vocês e suas famílias.

Diretora

**********************************

DE: Diretora de Recursos Humanos

PARA: Todos os Funcionários

Data: 2 de dezembro

Assunto: Festa de Final de Ano

De maneira alguma nosso memo datado de 1º de dezembro pretendeu excluir nossos funcionários judeus! Reconhecemos que o Chanukah é um feriado importante e que costuma coincidir com o Natal, mas isso não aconteceu este ano. De qualquer forma, passaremos a chamá-la de “Festa de Final de Ano”.

 

A mesma política se aplica a todos os outros funcionários que não sejam cristãos e aqueles que ainda celebram o Dia da Reconciliação. Não haverá árvore de Natal. Nada de canções de natal, nem coral. Teremos outros tipos de música para seu entretenimento.

 

Felizes agora? Boas festas para vocês e suas famílias,

Diretora

**********************************

DE: Diretora de Recursos Humanos

PARA: Todos os Funcionários

Data: 3 de dezembro

Assunto: Festa de Final de Ano

Com relação ao bilhete que recebi de um membro do Alcoólicos Anônimos solicitando uma mesa para pessoas que não bebem álcool… você não assinou seu nome! Fico feliz em atender o pedido, mas se eu puser uma placa na mesa “Exclusivo para AA”, vocês não serão mais anônimos… Como faço, então?

 

Esqueçam a troca de presentes. Nenhuma troca de presentes será permitida, uma vez que os membros do sindicato acham que R$ 20,00 é muito dinheiro e os executivos acham que R$ 20,00 é muito pouco para um presente.

 

NENHUMA TROCA DE PRESENTES SERÁ PERMITIDA, certo?

Diretora

***********************************

DE: Diretora de Recursos Humanos

PARA: Todos os Funcionários

Data: 7 de dezembro

Assunto: Festa de Final de Ano

Nossa, que grupo heterogêneo somos!!! Eu não sabia que no dia 20 de dezembro começa o mês sagrado do Ramadan para os muçulmanos, que proíbe comer e beber durante as horas do dia. Lá se vai a festa!!!

 

Agora, sério, entendemos que uma refeição nesta época do ano seja um problema sem precedentes para a crença de nossos funcionários muçulmanos…

 

Talvez a Churrascaria Grill House possa segurar o serviço de buffet até o fim do dia – ou então, embalar tudo para que vocês levem para casa nas marmitex. O que vocês acham disso?

 

Novidades: Neste meio tempo, consegui que os membros do Vigilantes do Peso sentem-se o mais longe possível do buffet de sobremesas e as mulheres grávidas sentem-se o mais perto possível dos banheiros; homossexuais podem sentar-se juntos. Mulheres homossexuais não têm que sentar com homens homossexuais, que terão sua própria mesa. E, sim, haverá um arranjo de flores no centro da mesa dos homens homossexuais.

 

Para as pessoas que pediram permissão para trocarem de roupa, nenhuma troca de roupa será permitida. Teremos assentos mais altos para pessoas baixas. Comida com baixa-caloria estará disponível para os que estão de dieta.

Nós não podemos controlar a quantidade de sal utilizada na comida; dessa forma, sugerimos para as pessoas com pressão alta provarem primeiro. Haverá frutas frescas de sobremesa para os diabéticos – o restaurante não dispõe de sobremesas sem açúcar. Nossas profundas desculpas. Esqueci de alguma coisa?

 

Diretora

***********************************

DE: Diretora de Recursos Humanos

PARA: Todos os Funcionários Filhos da P*&%$#@¨?$

Data: 7 de dezembro

Assunto: Festa de Final de Ano do Car%$#@*&¨!

Vegetarianos!?!?!??! Sim, vocês também tinham que dar opinião ou reclamar de alguma coisa!!! Nós manteremos o local da festa na Churrascaria Grill House gostem vocês ou não! Então, vocês podem sentar-se quietinhos na mesa mais distante da “churrasqueira da morte” – como vocês se referiram de forma bastante depreciativa ao utensílio, e vocês terão a sua mesa de saladas de m%$#@%&, incluindo tomates hidropônicos do c$%#¨*&*&ete.

 

Mas, como vocês devem saber, eles também têm sentimentos! Os tomates gritam quando vocês os fatiam. EU os ouvi gritar! Eu os estou ouvindo gritar agora  mesmo!!!!! Ahhhhhhh!!!!

 

Espero que vocês todos tenham uma bos%$#@%&* de final de ano!

 

Dirijam muito, muito bêbados e morram, escutaram?????

 

A Vaca, diretamente do Inferno

**********************************

DE: Diretor de Recursos Humanos Interino

PARA: Todos os Funcionários

Data: 14 de dezembro

Assunto: Diretora de Recursos Humanos e Festa de Final de Ano

Tenho certeza de que falo por todos, desejando à Diretora de Recursos Humanos um rápido restabelecimento na sua crise de ‘stress’ e continuarei a encaminhar as mensagens para ela no sanatório.

 

Por conta deste fato, a diretoria decidiu cancelar a Festa de Final de Ano e dar folga remunerada para todos na tarde do dia 23 de dezembro.

 

Boas Festas!

Diretor de Recursos Humanos Interino

Tempos modernos…

Posted in Confissões, Falta Doquifa, Humor by rapadurapower on 4 de agosto de 2014

SOU MEIO MALUCO PORQUE TIVE ESSES EXEMPLOS NA INFÂNCIA…

Tarzan corria pelado,
Cinderela chegava em casa à meia-noite,
Aladim era ladrão,
Batman dirigia a 320 km/h,
Pinocchio mentia,
A Bela Adormecida dava pro primeiro que lhe desse um beijinho,
Salsicha (Scooby-Do) tinha voz de maconheiro, via fantasma e conversava com o cachorro,
Zé Colméia e o Catatau eram cleptomaníacos e viviam roubando cestas de pic-nic,
Branca de Neve morava com 7 homens numa boa,
Olívia Palito tinha bulimia,
Popeye fumava um cachimbo suspeito,
Pac Man corria em uma sala escura com música eletrônica tomando pílulas que o deixavam ligadão,
Super Homem colocava a cueca por cima da calça,
Margarida namorava o Pato Donald e saía com o Gastão…

Olha os exemplos que eu tive!
… e ainda me pedem para me comportar…

VOTOS DE BOAS FESTAS

Posted in Confissões, Notícias e política, Pensamentos by rapadurapower on 20 de dezembro de 2012

VOTOS DE BOAS FESTAS

Independente de nossas crenças, dos nomes a que chamamos o Altíssimo, somos todos irmãos, criaturas de um mesmo criador.
Portanto, é com amor fraternal que declaro meus votos de boas festas a todos nós:
Que tenhamos sabedoria para escolher nossos objetivos;
Que nos entendamos e perdoemos a quem nos afrontar;
Que trilhemos os caminhos retos e saibamos ajudar aqueles que quiserem trilhá-los também;
Que tenhamos forças para ousar e coragem para perseguir nossos sonhos;
Que tenhamos a correta percepção do mundo, das criaturas e de nós mesmos;
Que sejamos humildes e pequenos entre os pequenos;
Que cuidemos da criação, conforme nos foi ordenado, como demonstração de respeito ao Criador;
Que Ele nos abençoe, nos guarde, nos ilumine e se compadeça de nós;
Que mereçamos ser chamados de filhos do Altíssimo; Povo Escolhido.

Oração franciscana para hoje

Posted in Confissões, Igreja, Pensamentos, Reflexões, Religião by rapadurapower on 29 de junho de 2012

Originalmente foi postado em: Oração franciscana para hoje – http://www.taufrancisco.com.br/internas.php?id=2062, e eu reproduzo aqui…

28/06/2012
ORAÇÃO

Altíssimo, onipotente e bom Deus,
Teus são o louvor, a glória, a honra
e toda benção.

Só a Ti, Altíssimo, são devidos,
e homem algum é digno
de Te mencionar.

Louvado sejas, meu Senhor,
com todas as Tuas criaturas.
Especialmente o irmão Sol,
que clareia o dia
e com sua luz nos ilumina.

Ele é belo e radiante,
com grande esplendor
de Ti, Altíssimo é a imagem.

Louvado sejas meu senhor,
pela irmã Lua e as Estrelas,
que no céu formastes claras,
preciosas e belas.

Louvado sejas meu Senhor,
pelo irmão Vento,
pelo ar ou neblina,
ou sereno e de todo tempo
pelo qual as Tuas criaturas dais sustento.

Louvado sejas meu Senhor,
pela irmã Água,
que é muito útil e humilde
e preciosa e casta.

Louvado sejas meu Senhor,
pelo irmão Fogo,
pelo qual iluminas a noite,
e ele é belo e jucundo
e vigoroso e forte.

Louvado sejas meu Senhor,
pela nossa irmã a mãe Terra,
que nos sustenta e nos governa,
e produz frutos diversos,
e coloridas flores e ervas.

Louvado sejas meu Senhor,
pelos que perdoam por teu amor
e suportam enfermidades e tribulações.

Bem aventurados os que sustentam a paz,
que por Ti, Altíssimo serão coroados.

Louvado sejas meu Senhor,
pela nossa irmã a morte corporal,
da qual homem algum pode escapar.

Ai dos que morrerem em pecado mortal!
Felizes os que ela achar
conforme à Tua Santíssima vontade,
porque a segunda morte não lhes fará mal.

Louvai e bendizei ao meu Senhor,
e dai lhes graças
e serví-O com grande humildade.

Feliz dia da toalha!!!

Posted in Computadores e a Internet, Confissões by rapadurapower on 25 de maio de 2012

Minimamente Feliz

Posted in Confissões, Opinião, Pensamentos, Reflexões by rapadurapower on 8 de novembro de 2011
Recebi por e-mail e repasso.

Minimamente Feliz

A felicidade é a soma das pequenas felicidades. Li essa frase num outdoor em Porto Alegre e soube, naquele momento, que meu conceito de felicidade tinha acabado de mudar. Eu já suspeitava que a felicidade com letras maiúsculas não existia, mas dava a ela o benefício da dúvida. Afinal, desde que nos entendemos por gente aprendemos a sonhar com essa felicidade no superlativo. Mas ali, vendo aquele outdoor estrategicamente colocado no meio do meu caminho (que de certa forma coincidia com o meio da minha trajetória de vida), tive certeza de que a felicidade, ao contrário do que nos ensinaram os contos de fadas e os filmes de Hollywood, não é um estado mágico e duradouro.
Na vida real, o que existe é uma felicidade homeopática, distribuída em conta-gotas. Um pôr-de-sol aqui, um beijo ali, uma xícara de café recém-coado, um livro que a gente não consegue fechar, um homem que nos faz sonhar, uma amiga que nos faz rir. São situações e momentos que vamos empilhando com cuidado e a delicadeza que merecem as alegrias de pequeno e médio porte e até grandes (ainda que fugazes) alegrias.
Eu contabilizo tudo de bom que me aparece, sou adepta da felicidade homeopática. Se o zíper daquele vestido que eu adoro volta a fechar (ufa!) ou se pego um congestionamento muito menor do que eu esperava, tenho consciência de que são momentos de felicidade e vivo cada segundo.
Alguns crescem esperando a felicidade com letras maiúsculas e na primeira pessoa do plural: ‘Eu me imaginava sempre com um homem lindo do lado, dizendo que me amava e me levando pra lugares mágicos. Agora, descobre-se que dá pra ser feliz no singular: ‘Quando estou na estrada dirigindo e ouvindo as músicas que eu amo, é um momento de pura felicidade. Olho a paisagem, canto, sinto um bem-estar indescritível’.
Uma empresária que conheci recentemente me contou que estava falando e rindo sozinha quando o marido chegou em casa. Assustado, ele perguntou com quem ela estava conversando: ‘Comigo mesma’, respondeu. ‘Adoro conversar com pessoas inteligentes’.
Criada para viver grandes momentos, grandes amores e aquela felicidade dos filmes, a empresária trocou os roteiros fantasiosos por prazeres mais simples e aprendeu duas lições básicas: que podemos viver momentos ótimos mesmo não estando acompanhadas e que não tem sentido esperar até que um fato mágico nos faça felizes.
Esperar para ser feliz, aliás, é um esporte que abandonei há tempos. E faz parte da minha ‘dieta de felicidade’ o uso moderadíssimo da palavra ‘quando’.
Aquela história de ‘quando eu ganhar na Mega Sena’, ‘quando eu me casar’, ‘quando tiver filhos’, ‘quando meus filhos crescerem’, ‘quando eu tiver um emprego fabuloso’ ou ‘quando encontrar um homem que me mereça’, tudo isso serve apenas para nos distrair e nos fazer esquecer da felicidade de hoje. Esperar o príncipe encantado, por exemplo, tem coisa mais sem sentido? Mesmo porque quase sempre os súditos são mais interessantes do que os príncipes; ou você acha que a Camilla Parker-Bowles está mais bem servida do que a Victoria Beckham?
Como tantos já disseram tantas vezes, aproveitem o momento, amigos. E quem for ruim de contas recorra à calculadora para ir somando as pequenas felicidades.
Podem até dizer que nos falta ambição, que essa soma de pequenas alegrias é uma operação matemática muito modesta para os nossos tempos. Que digam.
Melhor ser minimamente feliz várias vezes por dia do que viver eternamente em compasso de espera.
Leila Ferreira, jornalista

Sessão Nostalgia versus Realidade

Posted in atualidades, Confissões, Falta Doquifa, Notícias e política, Pensamentos, Reflexões by rapadurapower on 25 de outubro de 2011

No tempo da minha infância
(Ismael Gaião)

No tempo da minha infância
Nossa vida era normal
Nunca me foi proibido
Comer muito açúcar ou sal
Hoje tudo é diferente
Sempre alguém ensina a gente
Que comer tudo faz mal

Bebi leite ao natural
Da minha vaca Quitéria
E nunca fiquei de cama
Com uma doença séria
As crianças de hoje em dia
Não bebem como eu bebia
Pra não pegar bactéria

A barriga da miséria
Tirei com tranquilidade
Do pão com manteiga e queijo
Hoje só resta a saudade
A vida ficou sem graça
Não se pode comer massa
Por causa da obesidade

Eu comi ovo à vontade
Sem ter contra indicação
Pois o tal colesterol
Pra mim nunca foi vilão
Hoje a vida é uma loucura
Dizem que qualquer gordura
Nos mata do coração

Com a modernização
Quase tudo é proibido
Pois sempre tem uma Lei
Que nos deixa reprimido
Fazendo tudo que eu fiz
Hoje me sinto feliz
Só por ter sobrevivido

Eu nunca fui impedido
De poder me divertir
E nas casas dos amigos
Eu entrava sem pedir
Não se temia a galera
E naquele tempo era
Proibido proibir

Vi o meu pai dirigir
Numa total confiança
Sem apoio, sem air-bag
Sem cinto de segurança
E eu no banco de trás
Solto, igualzinho aos demais
Fazia a maior festança

No meu tempo de criança
Por ter sido reprovado
Ninguém ia ao psicólogo
Nem se ficava frustrado
Quando isso acontecia
A gente só repetia
Até que fosse aprovado

Não tinha superdotado
Nem a tal dislexia
E a hiperatividade
É coisa que não se via
Falta de concentração
Se curava com carão
E disso ninguém morria

Nesse tempo se bebia
Água vinda da torneira
De uma fonte natural
Ou até de uma mangueira
E essa água engarrafada
Que diz-se esterilizada
Nunca entrou na nossa feira

Para a gente era besteira
Ter perna ou braço engessado
Ter alguns dentes partidos
Ou um joelho arranhado
Papai guardava veneno
Em um armário pequeno
Sem chave e sem cadeado

Nunca fui envenenado
Com as tintas dos brinquedos
Remédios e detergentes
Se guardavam, sem segredos
E descalço, na areia
Eu joguei bola de meia
Rasgando as pontas dos dedos

Aboli todos os medos
Apostando umas carreiras
Em carros de rolimã
Sem usar cotoveleiras
Pra correr de bicicleta
Nunca usei, feito um atleta,
Capacete e joelheiras

Entre outras brincadeiras
Brinquei de Carrinho de Mão
Estátua, Jogo da Velha
Bola de Gude e Pião
De mocinhos e Cawboys
E até de super-heróis
Que vi na televisão

Eu cantei Cai, Cai Balão,
Palma é palma, Pé é pé
Gata Pintada, Esta Rua
Pai Francisco e De Marré
Também cantei Tororó
Brinquei de Escravos de Jó
E o Sapo não lava o pé

Com anzol e jereré
Muitas vezes fui pescar
E só saía do rio
Pra ir pra casa jantar
Peixe nenhum eu pagava
Mas os banhos que eu tomava
Dão prazer em recordar

Tomava banho de mar
Na estação do verão
Quando papai nos levava
Em cima de um caminhão
Não voltava bronzeado
Mas com o corpo queimado
Parecendo um camarão

Sem ter tanta evolução
O Playstation não havia
E nenhum jogo de vídeo
Naquele tempo existia
Não tinha vídeo cassete
Muito menos internet
Como se tem hoje em dia

O meu cachorro comia
O resto do nosso almoço
Não existia ração
Nem brinquedo feito osso
E para as pulgas matar
Nunca vi ninguém botar
Um colar no seu pescoço

E ele achava um colosso
Tomar banho de mangueira
Ou numa água bem fria
Debaixo duma torneira
E a gente fazia farra
Usando sabão em barra
Pra tirar sua sujeira

Fui feliz a vida inteira
Sem usar um celular
De manhã ia pra aula
Mas voltava pra almoçar
Mamãe não se preocupava
Pois sabia que eu chegava
Sem precisar avisar

Comecei a trabalhar
Com oito anos de idade
Pois o meu pai me mostrava
Que pra ter dignidade
O trabalho era importante
Pra não me ver adiante
Ir pra marginalidade

Mas hoje a sociedade
Essa visão não alcança
E proíbe qualquer pai
Dar trabalho a uma criança
Prefere ver nossos filhos
Vivendo fora dos trilhos
Num mundo sem esperança

A vida era bem mais mansa,
Com um pouco de insensatez.
Eu me lembro com detalhes
De tudo que a gente fez,
Por isso tenho saudade
E hoje sinto vontade
De ser criança outra vez…

Palavras na conclusão do Ratzinger-Schülerkreis, Papa Bento XVI

Posted in atualidades, Confissões, Igreja, Notícias e política, Organizações, Papa, Pensamentos, Reflexões, Religião by rapadurapower on 5 de setembro de 2011

Podia ser mais atual???

http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/speeches/2011/august/documents/hf_ben-xvi_spe_20110828_schulerkreis_po.html

SAUDAÇÃO DO PAPA BENTO XVI
NO INÍCIO DA MISSA CELEBRADA COM SEUS EX-ALUNOS
NA CONCLUSÃO DO 
“RATZINGER SCHÜLERKREIS”

Capela do Centro Mariápolis
Castel Gandolfo, 28 de Agosto de 2011

Amados irmãos e irmãs!

Hoje respondemos à primeira leitura, tirada do profeta Jeremias, com o Salmo 62: a minha alma tem sede de ti, do Deus vivo; como terra deserta, árida, espera por ti, o Deus vivo.

Neste tempo de ausência de Deus, quando a terra das almas é árida e o povo ainda não sabe de onde provém a água viva, peçamos ao Senhor que se mostre. Queremos pedir-lhe que, a quantos procuram a água viva noutras partes, mostre que essa água é Ele mesmo, e que Ele não permita que a vida dos homens, a sua sede daquilo que é grande, da plenitude, afogue e sufoque no transitório.

Desejamos perdir-Lhe, sobretudo pelos jovens, que a sede d’Ele se torne viva neles e que reconheçam onde se encontra a resposta.

E nós, que O conseguimos conhecer desde a nossa juventude, podemos pedir perdão, porque levamos tão pouco a luz do seu rosto aos homens, transparece tão pouco em nós a certeza de que «Ele é, Ele está presente e Ele é a realidade grande, plena, que todos esperamos». Queremos pedir-Lhe que nos perdoe, que nos renove com a água viva do seu Espírito e nos conceda celebrar dignamente os sagrados Mistérios.

© Copyright 2011 – Libreria Editrice Vaticana

Print A Forest

Posted in Computadores e a Internet, Confissões by rapadurapower on 27 de agosto de 2011